Curso
Estratégias e Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social

Unidade Universitária vinculada:
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Local
Universidade Presbiteriana Mackenzie, Campus Higienópolis

Carga Horária
32 horas/aula (8 aulas)

1ª Edição
2018 (outubro - dezembro)

2ª Edição
2019 (maio-junho)

3ª Edição
2019 (outubro - dezembro)

4ª Edição
2020 (outubro - dezembro)

5ª Edição
2021 (outubro - dezembro)

*Matrículas abertas*

Inscrições:
https://www.mackenzie.br/educacao-executiva/universidade/arquitetura-e-design/atualizacao-aperfeicoamento/estrategias-e-assistencia-tecnica-para-habitacao-interesse-social

Calendário (aos sábados das 9h00 às 13h00)

Professores Participantes:

Fabricia Zulin: Arquiteta urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2007) , mestra pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (2013) e doutoranda pela mesma instituição (2018-2022) . Atualmente é diretora do COMVIVA e atua desde 2008 em projetos de Habitação de Interesse Social, de urbanização de favelas, provisão habitacional e melhorias habitacionais.

Celso Aparecido Sampaio: Arquiteto Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (1988), mestre pela FAU da USP de São Carlos (2000) e doutorando pela Universidade Mackenzie. Tem atuado constantemente na área da habitação como assessor técnico de Movimento de Moradia, como gestor público (COHAB-SP e Prefeitura de Santo André), como diretor do Escritório CAS Arquitetura e também como membro Titular do Conselho Municipal de Habitação (2013-2018) e de Política Urbana em São Paulo (2017-2019).

Viviane Manzione Rubio: Arquiteta urbanista pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo (1986), mestre (2010) e doutora (2017) pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Integrou as equipes da Habitação e Desenvolvimento Urbano de Osasco (2006-2017). Integrou as equipes de Projetos Especiais e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano do Estado do Rio de Janeiro (2001-2005) e da equipe de projetos do Gerenciamento do Programa Favela Bairro na cidade do Rio de Janeiro (1997-2001).

Rosane de Almeida Tierno: Consultora jurídica especialista em Direito Urbanístico e Regularização Fundiária e integrante do Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU).

Rodrigo Carvalho: arquiteto urbanista especialista em direito urbanístico e gestão de projetos. Atua em diferentes âmbitos de políticas públicas: municipais, via SEHAB e COHAB-SP; e estaduais, pela CDHU, DERSA, CPOS e DER.

Cláudia Bastos Coelho: Arquiteta Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2003) e mestra pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (2007). É funcionária pública de Diadema, desde 2006, onde atua na Secretaria de Habitação e Desenvolvimento Urbano no setor de Pós-urbanização. Tem experiência principalmente nos seguintes temas: favela, habitação popular, políticas urbanas, assistência técnica e melhorias habitacionais.

Milton Susumu Nakamura: Arquiteto urbanista pela FAU USP (1983) e mestre em Planejamento e Gestão do Território pela Universidade Federal do ABC (2014). Atuou como gestor público em algumas prefeituras: São Paulo, Mauá, Diadema e São Bernardo do Campo.

Edna Cunha: Assistente Social pela Faculdade Paulista de Serviço Social de São Caetano do Sul (1995). Tem mais de 20 anos de vivência no Trabalho Social na área de Habitação Popular, com trabalhos junto a moradores de Núcleos Habitacionais e Movimentos de Luta por moradia.


“Estratégias e Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social” é um curso de Extensão Universitária, viabilizado por meio de convênio com a Universidade Presbiteriana Mackenzie, voltado para profissionais com interesse em se especializar no tema ou porque já trabalham na área ou porque estão em busca de uma oportunidade de atuação e enxergam a ATHIS como uma opção real de trabalho.

O curso resgata as estratégias de HIS e ATHIS até os dias atuais e identifica metodologias de trabalhos em projetos de estreita relação entre técnicos e usuários em distintas modalidades – urbanização de favelas, conjuntos habitacionais por autogestão, autoconstrução assistida, melhorias habitacionais entre outras.

O corpo docente é formado por profissionais especializados em distintos temas como Urbanização de Favelas, Regularização Fundiária, Projeto de Melhorias Habitacionais, projetos autogestionados e Assistência técnica abrangendo de modo completo a temática.

O curso tem não apenas o objetivo de aprofundamento teórico e prático, mas principalmente de formação profissional e cidadã, um modo de contribuir com a realidade dura de muitas pessoas e ao mesmo tempo atribuir uma renovação nos conhecimentos científicos consagrados.

Trata-se de uma especialização voltada para profissionais, acadêmicos e alunos da graduação interessados pelo tema da Habitação de Interesse Social e da Assistência Técnica Habitacional; pesquisadores e profissionais que atuam ou desejam atuar nesta área (arquitetos, engenheiros, sociólogos, antropólogos, assistentes sociais e demais envolvidos).

Estrutura do curso:

PARTE 01: Políticas de provisão de Novas Moradias e Urbanização de favelas

São destacadas estratégias de atuações, seja de assessorias técnicas que trabalham há mais de 20 anos com os movimentos sociais ou até mesmo projetos de urbanização de favelas e o desafio de integrar estes territórios à cidade. O curso foca em alternativas ao modelo convencional de provisão habitacional - descentralizadas, com agentes variados e que reconhece a cidade real e as reais necessidades da população.

PARTE 02: Assistência Técnica Habitacional de Interesse Social e a realidade da autoconstrução

É colocada a importância de saber trabalhar não apenas com novas unidades (que é o modelo convencional, inclusive mais difundido no curso de graduação em arquitetura) mas principalmente como agir no universo de moradias autoconstruídas que precisam de melhorias. Neste sentido, o curso ensina metodologias de trabalho para o profissional saber enfrentar, por exemplo, os problemas decorrentes da precariedade das moradias e seus impactos na vida dos usuários, entendendo quais são os mecanismos de identificação das patologias das construções, a definição de soluções técnicas, no que diz respeito à especificação de materiais, processos construtivos, mão de obra etc.; e ao mesmo tempo a conjugação da solução proposta com um diálogo adequado com as famílias assistidas. Este universo é menos presente no curso de graduação. Então o curso tenta preencher esta lacuna, inclusive com visita em campo para melhor entendimento desta realidade.