Concurso Público Nacional de Arquitetura para Novas Tipologias de Habitação de Interesse Social Sustentáveis “Habitação para todos” promovido pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU), Menção honrosa modalidade edifícios de quatro pavimentos

Local
São Paulo – SP

Data início do projeto
abril / 2010

Data finalização do projeto
agosto / 2010

Equipe
Arq. Fabricia Zulin, Arq. Renata Coradin e Arq. Carla Andrade da Silva Colaboração:Arq. Vivian Cuzziol

O Concurso nacional de novas tipologias para habitação de interesse social sustentáveis, “Habitação para todos”, foi promovido pela CDHU - Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano e IAB/SP – Instituto de Arquitetos do Brasil de São Paulo.

A proposta apresentada busca desenvolver soluções de tipologia considerando as condições da sociedade atual e partindo de uma unidade habitacional com capacidade de adaptabildade, afinal, é de conhecimento de todos que os diferentes tipos de agrupações, familiares ou não, sofrem alterações ao longo do tempo. A ideia inicial foi buscar a flexibilidade desejada através de espaços de ampliação dentro do próprio apartamento; porém, espaços residuais podem ser problemáticos e acabar prejudicando inclusive a qualidade do conjunto; então, por esse motivo, optou-se por promover flexibilidade a partir dos espaços construídos. Desse modo, as adaptações permitidas não ficam limitadas ao espaço do apartamento, e sim, por meio de pequenas reformas, possibilitam a integração entre unidades vizinhas e até mesmo sobrepostas.

Com relação à escala do edifício, os espaços de transição entre o público e o privado levam em conta a questão da gestão de tais áreas, e assim, despertam questões essenciais como: De quem será esse espaço? Ou: Quem cuidará desse espaço? Afinal, “espaços de niguém” podem ser problemáricos, acabando mal cuidados e prejudicando a manutenção do conjunto. A criação dos jardins privativos nos apartamentos térreos foi uma maneira encontrada de aplicar o conceito de gestão dos espaços. Primeiro porque existem perfis de moradores que dão bastante importância a essas áreas mais conectadas com o exterior: moradores com animais de estimação, idosos etc. E, também por questões econômicas, buscou-se ao máximo a individualização e a concentrção dos acessos às anidades, outra vez garantindo que sejam bem cuidados e mantidos pelos seus respectivos usuários.

Por fim, a proposta oferece como diferencial comprovar sua potencialidade a partir de diferentes arranjos, ser implantada em seis terrenos com localização tectônica e clima distintos. As condições originais dos terrenos foram consideradas buscando-se realizar o mínimo de intervenções possíveis, o que estabelece baixo custo no preparo dos terrenos e reforça a relação com o entorno existente.

Memorial da proposta apresentada para o concurso, publicado em: GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO - SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO. TEDESCHI, Altamir (org.). Sustentabilidade e inovação na habitação popular: o desafio de propor modelos eficientes de moradia. São Paulo, 2010.