Concurso Público Nacional de Projetos de Arquitetura: Unidades Habitacionais Coletivas – SAMAMBAIA

Local
Samambaia, Região Administrativa – RA XII de Brasília – DF

Data início do projeto
agosto/2016

Data finalização do projeto
setembro/2016

Área de intervenção direta
900m²

Equipe

Habitar Arquitetas Associadas
Fabricia Zulin, Renata Coradin e Claudia Karina de Resende (estagiária)

Jaramillo Van Sluys – Taller de Arquitectura y Urbanismo
Christine Van Sluys e Esteban Jaramillo
Colaboradores: Emily Miranda, Gabriel Troncoso, Jaire Cagigal, Robinson Cueva

INSERÇÃO URBANA

A intervenção nos lotes de Samambaia tem como principal objetivo qualificar o bairro e a Região Administrativa a partir de um desenho urbano que configure os fluxos e estabeleça conexões entre os lotes habitacionais e os equipamentos existentes no entorno, como praças, quadras, escolas, creches, centros urbanos, etc., oferecendo espaços públicos de qualidade aos habitantes da região. Os cinco lotes, objetos desta proposta, encontram-se distribuídos por Samambaia, estando as quadras QR 503 e QR 513 mais próximas ao Centro Urbano e à rodovia BR-060 e as quadras QR 612 e QR 606 próximas à divisa com a Região Administrativa de Taguatinga, o que possibilitará a atuação em diferentes pontos da cidade.

O desenho urbano proposto para a quadra QR 503 promove a conexão entre os lotes e destes com os equipamentos do entorno, a partir do espaço público. Passeios, áreas gramadas e espaços de lazer se articulam, envolvendo os lotes residenciais e definindo fluxos.

IMPLANTAÇÃO

O acesso ao Lote 04 (conjunto 9-A) da quadra 503 se dá a partir da Rua 4, ao Sul, de onde eixos peatonais e para veículos, se estendem até o limite do lote, envolvidos por áreas ajardinadas e espaços públicos de lazer.

Ao Norte, importantes conexões foram estabelecidas. A existência ou futura implantação da ciclovia garantirá acesso à outras áreas da Região Administrativa, como ao Centro Urbano; à 2ª Avenida, onde há acesso ao transporte coletivo; e, mais ao norte, à estação de metrô de Samambaia. À leste se propõe uma conexão em direção à praça do bairro (QR 503- conjuntos 2 e 5) que seguramente será requalificada a partir das intervenções urbanas e apropriação da população local e à oeste, ao Centro de Ensino Fundamental - CEF 507 de Samambaia.

Quanto à implantação do projeto nos outros 4 lotes, decidiu-se, como partido projetual, respeitar os afastamentos mínimos exigidos para cada um, garantindo assim a implantação da edificação em todos os terrenos, considerando apenas pequenas adequações no desenho do térreo e dos acessos. Apenas no caso da quadra QR 606, será necessário recuar a edificação devido ao afastamento frontal.

A EDIFICAÇÃO

O edifício habitacional projetado para Samambaia conta com 48 apartamentos distribuídos em 8 pavimentos, sendo 6 unidades por andar, atingindo assim o coeficiente máximo de aproveitamento. O projeto partiu de dois objetivos principais: a concepção de uma tipologia de apartamentos funcional, modular e com qualidade espacial aos futuros moradores e a obrigatoriedade de oferecer uma vaga por unidade, solucionando o estacionamento a partir dos princípios da economicidade.

O estacionamento foi implantado a partir da definição de meios níveis. Dessa maneira as rampas são menores e organizam melhor o fluxo dos veículos. Com acesso pela lateral direita do lote, o pavimento térreo conta com apenas quatro vagas. Uma rampa, que desce meio nível, leva à segunda bandeja de estacionamento e assim por diante até a última bandeja, que ocupa apenas ¼ do terreno. Parte da segunda bandeja e a rampa estão apoiadas diretamente sobre o solo e o revestimento de cobograma, com alta taxa de permeabilidade, garante que ao menos 20% do terreno seja permeável.

Os elevadores foram locados estrategicamente para que, a partir de todos os níveis de estacionamento, se tenha fácil acesso à circulação vertical.

O hall de acesso configura um espaço de uso comum, compacto e aconchegante, onde encontram-se a guarita, a caixa de correspondências e o salão multiuso, todos articulados por uma pequena praça central, um espaço de estar, que configura o pátio do edifício ao redor do qual as unidades estão distribuídas nos pavimentos superiores.

Este pátio será o principal espaço de convívio entre vizinhos. Formado a partir da disposição de dois “L”s, resultantes do arranjo das unidades e envolvido pelas passarelas, proporcionará relação não apenas entre os moradores do mesmo andar, como com os outros andares e também com a praça do térreo. Com uma área de quase 100m², o pátio será responsável por trazer luz e ventilação ao centro do edifício garantindo que todas as unidades tenham ventilação cruzada.

A UNIDADE

Os apartamentos foram desenvolvidos a partir da modulação de 5,20 x 5,20m. Na faixa mais próxima à passarela encontram-se os ambientes especializados, ou seja, os ambientes que precisam de instalações específicas para sua utilização, como as cozinhas, as áreas de serviço e os banheiros. A concentração destes ambientes vai ao encontro dos princípios de economicidade, uma vez que as instalações estão concentradas.

Nas faces externas encontram-se os ambientes não-especializados, ou seja, os que não necessitam de nenhuma instalação específica, como os dormitórios, os espaços de estar e jantar. As varandas atuam como espaço exterior próprio das unidades, qualificando o interior dos apartamentos.

As unidades também contam com um espaço “coringa”. A configuração do espaço de estar e jantar mais alargados possibilita sua divisão, proporcionando mais um ambiente que poderá ser utilizado de acordo com as necessidades dos diferentes tipos de família. Em alguns casos, poderá ser um escritório ou espaço de estudo; em outra situação poderá ser um dormitório extra para atender à necessidade de hospedar um ente familiar durante determinado período. Dessa forma, a unidade originalmente de dois dormitórios, poderá ser adaptada para atender às necessidades específicas dos futuros moradores.

Todo o projeto foi desenvolvido a partir dos parâmetros do Programa Minha Casa Minha Vida, da Norma de Desempenho (NBR 15.575) e de Acessibilidade (NBR 9050/2015), respeitando também as normas locais, como o Código de Obras e Edificações do Distrito Federal - COE/DF e suas alterações e o Plano Diretor Local. A unidade apresentada foi concebida considerando a acessibilidade universal, sendo dessa forma, facilmente adaptada às necessidades de portadores de necessidades especiais (PNE).

O sistema estrutural adotado foi o concreto armado moldado in loco com vedação de alvenarias leves, contribuindo para o critério de flexibilidade. O conforto térmico-luminoso foi amplamente estudado, levando à configuração do pátio central de forma a que proporcione ventilação cruzada a todas as unidades e iluminação na parte central do edifício.

Os espaços voltados para as faces externas contam com elementos que auxiliam no controle solar. No caso dos dormitórios, os painéis metálicos de veneziana correm nas fachadas se movimentando para controlar a entrada de luz. Nos espaços de estar, as molduras formadas pelas varandas funcionam como elementos de controle solar, minimizando a entrada de luz direta, garantindo assim o conforto térmico dos interiores domésticos.

Veja as pranchas originais no site da CODHAB:
http://www.codhab.df.gov.br/uploads/
concourse/candidate/files/e4475272fa9802ccbf38406552824484.pdf