Concurso 4º Prêmio Caixa – IAB 2008 / 2009. 1º lugar – modalidade 4: Intervenções em áreas urbanas degradadas – categoria profissional

Local
Santa Cecília - São Paulo

Data início do projeto
abril / 2009

Data finalização do projeto
junho / 2009

Área de Intervenção
11.300m²

Equipe
Arq. Fabricia Zulin, Arq. Renata Coradin e Arq. Vivian Cuzziol

“Idéias e Soluções Sustentáveis para a Urbanização e Habitação Social no Brasil” foi o tema do Prêmio Caixa – IAB 2008/2009. O projeto, premiado na modalidade “Intervenções em áreas urbanas degradadas”, propõe uma Intervenção Urbana em Zona Especial de Interesse Social em Santa Cecília – SP.

O desafio parte da crítica a modelos tradicionais e formatados de conjuntos habitacionais que não correspondem às necessidades atuais que em sua maioria são de grande escala e distantes da infraestrutura para a vida cotidiana e muitos apresentam uma única tipologia de moradia. É preciso, ao contrário, considerar que na região central de São Paulo a população apresenta diferentes necessidades de uso e condições financeiras extremas. Portanto, dentro de um mesmo conjunto, é muito importante a variedade de unidades tipológicas e a idealização de espaços mais contidos que se integrem ao contexto existente e assim favoreçam a reabilitação de espaços degradados na cidade.

Numa cidade como São Paulo, onde a periferização ocorre sem planejamento, democratizar é indispensável para impedir que a expansão urbana ocorra de maneira indiscriminada e desnecessária.

O local escolhido para a intervenção urbana pertence a uma ZEIS (Zona Especial de Interesse Social) de alta densidade, onde hoje existem imóveis subutilizados e sem articulação com o entorno.A proposta de habitação é complementada com infraestrutura para a vida cotidiana, e assim a interação entre os equipamentos, comércio, serviços e habitação.

Na região central de São Paulo, a população apresenta diferentes necessidades de uso e condições financeiras extremas. Portanto, dentro de um mesmo conjunto é muito importante a variedade de unidades tipológicas e a idealização de espaços mais contidos que se integrem ao contexto existente, e assim reabilitem espaços degradados da cidade. Com a proposta, este lote se transforma em espaço de transição e permanência entre redes urbanas existentes e previstas.

A proposta consiste em reavaliar e encontrar a melhor forma para preencher os espaços vazios e ociosos adensando melhor essas áreas já urbanizadas, criando habitações mais adequadas às necessidades da população e privilegiando principalmente os atuais moradores. O objetivo é proporcionar melhores condições de vida e de moradia buscando a integração e facilitando os acessos ao trabalho, educação, cultura e oportunidades sociais. Uma variedade no arranjo e no tamanho das unidades permitiu oferecer quatro alternativas para morar, atendendo à todo os tipos de formações familiares.

As unidades foram trabalhadas de maneira a valorizar o aproveitamento coletivo, sem deixar de proporcionar espaços mais privados indo da escala do público ao privado passando por espaços filtros ou de transição. A disposição das tipologias proporciona maior flexibilidade no uso das unidades possibilitando inclusive a integração de ambientes entre habitações que correspondem às necessidades de cada grupo de habitantes.

Os alojamentos, tipos com 20m², serão comercializados também na modalidade aluguel, com o intuito de permitir local digno e temporário para as pessoas dormirem: universitários, trabalhadores temporários, trabalhadores informais etc.

Concluído, buscou-se uma democratização desde o espaço da cidade até o espaço da unidade habitacional, que é encarada de modo coletivo, como se fosse um cômodo dentro de uma casa.